Histórico Capilar de Amanda Gil

Lindos e lindas! Faz um tempinho que não publico a jornada capilar das minhas amigas! Sei o quanto vocês curtem esse tipo de postagem…e eu também rsrs.

Hoje vou apresentar a vocês mais uma querida que Deus me deu a oportunidade de conhecer: Amanda Gil! Tenho que confessar que fiquei muito emocionada lendo o relato dela. Quantas de nós já não viveu o mesmo?
Por isso que amo escrever este blog! Não tem preço poder aprender com a experiência dessas amigas! Tenho certeza de que minhas outras queridas que estão em transição ou sofreram o big chop vão “recarregar” o ânimo tão necessário para prosseguir!

Ao me enviar o email, Amanda inicia assim:
“Sou da época em que cabelo crespo era que nem bandido..."Se não tá preso...tá armado!

Isso me traumatizou a vida inteira, achando que meu cabelo era ruim, até que descobri o cabelo lindo que Deus quis que eu tivesse! E ameiiiiiiiiiiii....”

Acompanhem e toda força para vocês, queridas!


Relembrando…

Bom, como a maioria das meinas de cabelos crespo, sempre usei químicas. Primeiro, só relaxamento.

Sempre usei, desde criança. Por isso, a única lembrança que eu tinha do meu cabelo natural, era um cabelo extremamente seco e volumoso, o que levava minha mãe sempre fazer tranças nele para escondê-lo.




Não me recordo ao certo quando comecei a usar químicas, mas até os 28 anos foi assim (essa transformação é recente, foi ano passado: 2011…Hoje estou com 29...rsrsrsr).


Eu até gostava do efeito do relaxamento! Costumava fazer em casa mesmo e só aplicava na raiz, de qualquer jeito, só pra abaixar, até que resolvi fazer no salão.

Sou carioca, mas moro em uma cidadezinha do interior de SP. Aqui não há muitas pessoas negras, não é muito comum! Cabelo crespo então, nem se fala. A maioria tem cabelo liso natural e quem não tem, alisa!! Então eu me rendi também!

Nessa de fazer o relaxamento no salão, creio que por não estar muito acostumada a cuidar do meu tipo de cabelo, a cabeleireira aplicou um produto no meu cabelo que, a cada aplicação, ia tirando cada vez mais os cachos, até ele ficar totalmente esticado.

Mudei de cabeleireira e, sem alternativa, aproveitei que já estava esticado e fiz a  ESCOVA INDIANA (progressiva). Ficou lindoooo! Bem liso e brilhoso! Apenas na primeira semana, até dar a primeira lavada. Depois, até o retoque de raiz, só ficava desta maneira, à base de chapinha mesmo!



Sempre achei meu cabelo seco e já na primeira aplicação da progressiva, me deu uma caspa terrível! Aquelas casponas mesmo, enormes!

Se eu não lavasse o cabelo um dia sim,dia não, ficava aquela coisa nojenta! A cabeleireira me disse que era normal, que a progressiva "puxa mesmo a oleosidade do cabelo”.  OK! “Deixei quieto” e 3 meses depois, lá fui eu para minha segunda aplicação.

Só que dessa vez, estava às portas de uma viagem e no desespero comprei um relaxamento na farmácia, um que eu nunca tinha usado e na embalagem dizia “FORTE”. Como eu achava meu cabelo super rebelde, disse: "É esse!". Levei e pedi pra cabeleireira aplicar.

Nesse mesmo dia fiz a progressiva e na hora da aplicação, já senti meu couro ardendo. “Beleza é assim mesmo! Mulher pra ficar bonita tem que sofrer!!!” – pensei. E como sofre!

Tive um corte químico! Passava a mão na cabeça e tinha a sensação bem no couro mesmo, que tinha passado a máquina. Sentia aqueles cabelinhos arrepiados bem na raiz, mas não dei importância, afinal eu tinha muitoooo cabelo e aparentemente estava tudo normal.

Viajei e ao longo dos 7 dias que fiquei fora, fui perdendo cabelos aos montes. Literalmente eles se soltavam da cabeça! Era cabelo pelo chão, na roupa...uma coisa horrível!! E eu percebi que estava ficando ralo.
Cheguei com uma quantidade de cabelo e estava com outra! O coque já não era mais o mesmo! O rabo de cavalo super murcho!Bateu o desespero! E as caspas ainda estavam lá.

Assim que cheguei de viagem, procurei um dermatologista. Ele examinou o meu couro cabeludo e de cara já falou: “Vc está com uma BELA DERMATITE SEBORREICA" (inflamação no couro cabeludo). Aquilo que se achava "uma caspinha normal" era uma inflamação!
Então veio a “paulada”: "VOCÊ NÃO PODE PASSAR ESSAS QUÍMICAS, VOCÊ TEM QUE USAR SEU CABELO NATURAL!”
Como assim???? Natural???? Deus me livre...isso é impossível!!!!
O médico receitou um xampu medicinal para tratar o couro. Só que ele ressecava muito. Então comecei a hidratar, hidratar muitoooo, um dia sim e um dia não! A essa altura, a raiz estava gritandoooo e as pontas lisas! Aquela coisa horrorosaaaa!!

Auto-estima??? No chãoooo! Muito tristeee mesmo! Me olhava no espelho e não acreditava no que estava acontecendo! E o meu pensamento era o seguinte: “Vou cuidar, hidratar e quando estiver bom, faço relaxamento de novo! Imagine que vou deixar meu cabelo natural?! É ruim hein!!!”

Aí veio a surpresa! A cada hidratação eu via cachinhos lindos que eu não sabia que eram assim! Eu não conhecia meu cabelo natural!







Como estava totalmente desigual, a raiz crespa e as pontas ralas e lisas, comecei a pensar na possibilidade de cortar joãozinho. Isso mesmo, joãozinho!

Não tinha jeito...estava horrível! A parte “morta” estava me incomodando e não tinha jeito pra cuidar! Só ficava "legal" preso e à base de muito, mas muitooo gel e eu estava cansada daquilo! Vaidade? Nenhuma!

Comecei primeiro a pesquisar no google  cortes de cabelos crespos curtos. Comecei a me imaginar...sabia que ia ser dificil. Então imprimi fotos e fui mostrando aos amigos: “Olha, vou cortar meu cabelo assim, vão se preparando!" Eles me chamavam de louca, é claro!!!

Passei a assistir vídeos e mais vídeos de americanas que tinham passado por isso tbm e que fizeram o tal do BIG CHOP, que é o corte radical. É quando, sem medo, vc tira de uma vez, toda a parte alisada e assume o natural.

Aquilo foi me fortalecendo e comecei a ver os cabelos crespos  e afros, com outros olhos, coisa que eu achava RIDÍCULO antes.  Agora eu achava lindo e me imaginava do mesmo jeito!

Ví alguns relatos de brasileiras, algumas dando dicas de penteados e possibilidades de usar o cabelo natural e então fui me animando.

Hidratava, hidratava e hidratava! Percebia a raiz lindaaa, toda encaracoladinha! Eu realmente estava amando meu cabelo! Não via a hora de tê-lo todo cacheadinho de novo, mas tinha medo de cortar curto e ficar feio. Tinha medo da reação das pessoas, porque aqui onde moro, a mulher que ainda tem cabelo crespo, é considerada relaxada, que não se cuida. Em outras palavras: "Como pode nos dias de hoje, com tantas formas de deixar o cabelo lindo a pessoas ainda tem esse fuá???”

Tive que pensar muito e muito! Mesmo assim, estava amando meu cabelo e não via a hora de me livrar daquela parte “morta”. Ficava passando a mão o tempo todo, apertando minhas molinhas e esticava pra ver o tamanho.

Li também alguns depoimentos e em um deles, a menina falava do filho que chegou da escola dizendo que não queria mais ser "preto" porque as outras crianças caçoavam dele, dizendo que ele tinha cor de cocô.

Isso me doeu muitoooooooo, porque também tenho uma filha! Apesar de ela ter nascido branquinha ela tem cabelo cacheado e sabemos que crianças imitam. O cabelo dela é lindoooo, mas se ela continuasse me vendo naquela escravidão de alisa e alisa também ia querer alisar e ia se achar feia por ter cabelos crespos. Então decidi de uma vez: "VOU CORTAR!" Esperei 7 meses, foi o máximo que aguentei!

Enfim, cortei o cabelo, assumi meu natural e estou muitooooooo feliz! Nunca estive tão feliz com meu cabelo em toda a minha vida! Descobri um cabelo novo que eu não sabia que existia! Eu sabia que ele era cacheado, mas nem tantoooo...rsrsrsrs. Ele é encaracolado mesmo, super definido, lindoooooo!!! Hj consigo ver!









“Não tenho segredos! Sigo uma rotina de cuidados onde incluem UMECTAÇÕES, CRONOGRAMA CAPILAR, uma TÉCNICA DE FINALIZAÇÃO chamada FITAGEM  e produtos apropriados.

Estou muito realizada com meus cabelos! Não preciso mais esconder minha natureza para me sentir aceita e feliz!!!

Hoje sou exemplo pra minha filha, que com apenas 3 aninhos já amaaaa seus cachinhosss!  Ela não vai precisar passar pelo que eu passei! Ela não vai crescer e ser uma adulta frustrada, achando que o cabelo dela é ruim e duro, como as pessoas costumam falar.

Muito mais do que moda ou estilo, assumir o cabelo crespo é uma questão de aceitação, aceitar sua própria natureza! Por mais que vc tente mudar isso, depois de 3 meses no máximo, lá está ela se mostrando. E ao contrário do que dizem, que ela está "gritando, pedindo química,” ela está lá...só que, querendo LIBERDADE! Querendo ser quem realmente ela é: Natural, do jeito que Deus fez, do jeito que Deus achou que ela tinha que ser.




Obrigada pela oportunidade!
                                                           Amanda Gil

Obrigada você, querida! Amei demais!

É isso ae pessoal! Beijossss! ;)

3 comentários:

  1. O cabelo da Amanda é lindo, um show!!!

    ResponderExcluir
  2. Linda historia, super emocionante pra quem já passou por algumas situações um tanto quanto desagradáveis por causa do cabelo crespo. Maravilhoso esse cabelo, show de bola!!!

    ResponderExcluir
  3. Já passei por uma situação semelhante e hoje sigo suas dicas para cuidar de minhas molinhas.
    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada por vir! Bjs.



Curta nossa fanpage!